Back to All Events

Dona Onete

Diretamente do Pará, a “rainha do carimbo chamegado”, Dona Onete e sua banda lançaram em 2016 o cd “BANZEIRO”. A compositora, que tornou-se referência para os jovens músicos do estado, tem em seu repertório canções do álbum “Feitiço Caboclo”, lançado em 2012, como “Proposta indecente”, “Amor brejeiro”, “Poder da sedução”, “Moreno Morenado”, “Feitiço Caboclo” e “Jamburana”. Além de canções do seu segundo álbum lançado neste ano, como “É no sabor do beijo”, “Tipití”, “Rio das Flores” e “Banzeiro”. Turnês nos EUA e na Europa e shows por todo o país vem consagrando este jovem talento de 77 anos de vitalidade e talento. Para 2017, um DVD gravado em Belém e outros shows Brasil adentro e mundo afora.
Dona de uma voz rouca e grande sensualidade, essa senhora de 77 anos, é a musa da nova geração da música paraense. Ela inventou o "carimbó chamegado”, que segundo ela tem o balanço do carimbó, mas “com um toque de pimenta”.
“A música do Pará é muito cheia de mistura, então comecei a fazer essas músicas, que falavam de amor, num ritmo mais lento e muito sensual, e assim nasceu esse carimbo chamegado”, diz Onete, que tem canções gravadas por Gaby Amarantos, Aíla, entre outros artistas, e que agora está levando ela mesma o ritmo para todo o Brasil.
A música paraense é popular nos estados do norte e nordeste há muito tempo, mas continua menos conhecida na maioria das demais regiões do país. DONA ONETE trata dos sons amazônicos que vem causando frenesi na cultura popular nacional. A música popular, divertida e sofisticada, produzida por Dona Onete e sua banda atrai tanto o público mais antenado na nossa boa cultura popular, quanto aos curiosos por novidades – já que os artistas em questão vem da periferia da cultura brasileira, agradando à todas as faixas etárias.
MAIS SOBRE DONA ONETE
DONA ONETE é a simpática e serelepe cantora e compositora paraense de 77 anos, nascida em Cachoeira do Arararí.
Foi Professora de História durante 25 anos, Secretaria de Cultura e Fundadora de grupos de dança e música regional como o” Canarana”, na cidade de Igarapé-Miri, reduto tradicional de boa música.
Atualmente, ela segue compondo (tem mais de 300 composições) de maioria boleros e tantas outras no gênero “carimbo chamegado”.
Participou de importantes grupos folclóricos como o “Raízes do Cafezal”e do grupo pop com raízes regionais “Coletivo Radio Cipó” e no cinema interpretou uma cantadora de carimbó no filme “Eu receberia as piores notícias dos seus grandes lábios”, estrelado por Camila Pitanga.
Dona Onete é uma das estrelas da série de espetáculos “Terruá Pará”, promovidos pelo governo do estado, contando com expoentes de todas as vertentes da música local.
Em 2012 Dona Onete grava e lança seu primeiro CD, “FEITIÇO CABOCLO”, produzido pelo músico Marco André, contando com algumas pérolas de seu inventive e divertido repertório, com muita pimento e malícia, como a música título e mais “Jamburana”, “Moreno Morenado” e “Proposta Indecente”.
Onete estreou com sua banda liderada pelo superguitarrista PIO LOBATO no Rio de Janeiro em junho deste mesmo ano abrindo show da Orquestra Imperial num Circo Voador lotado. E no final deste ano foi uma das atrações do Festival Back2Black tocando entre Daúde e Gal Costa.
Em 2013 tocou no Festival Conexão Rio e foi destaque de documentários sobre a música brasileira para tvs brasileiras e para a série Music Journey da National Geographic além de participações em importantes eventos de música e folclore como o FIFBA (Buenos Aires).
Em 2014 seu CD “Feitiço Caboclo” foi lançado internacionalmente pela companhia Mais Um Gringo Records e está sendo planejada tour no Reino Unido, França e Alemanha.
Participou em julho deste ano como uma das principais atrações de grandes festivais europeus neste ano tais como Womad (dirigido pelo músico e ativista Peter Gabriel) e Black Power (Paris, aos lado de nomes como FemiKuti e Mayra Andrade).
No ano de 2016, Dona Onete lança seu segundo álbum com músicas inéditas, BANZEIRO com previsão de lançamento de seu primeiro DVD ao vivo, ao fim deste ano. Este novo trabalho autoral traz um repertório inspirado no passado histórico-cultural da artista, relembrando as canções do rádio de outrora, e contando um pouco da história dos negros escravos que foram trabalhar nas lavouras de cana do Pará e trouxeram sua rica cultura de dança e ritmo que, mais tarde uniram-se aos caboclos que lá já estavam, criando um ritmo denominado Bangüê. As rodas e festas eram animadas com músicos tocando pau e corda (violas e percussões artesanais) e danças africanas típicas.
Suas músicas “Jamburana”, “Feitiço Caboclo”e “Faceira”vem integrando novelas de sucesso da Tv Globo, além de várias participações suas em programas da emissora e outras tvs do Brasil e exterior, como espciais para rádios europeias (incluindo dois shows na BBC de Londres)
Onete ,nos palcos é acompanhado pela sua banda capitaneada pelo guitarrista e pesquisador musical Pio Lobato, com Vovô na bateria, JP Cavalcante na percussão amazônica, Breno Oliveira no contra baixo e Daniel Serrão no teclado e sax.

Earlier Event: June 29
Filipe Catto